As Esquinas dos Recônditos Escombros do Ser

A noite aponta-me um 38 rente à nuca e dispara o medo que me traspassa os miolos, ricocheteia pelas entranhas do breu a lançar um grito lancinante que mancha a lua cheia de taciturno pavor. Fujo dos pardos respingos que a lua lança sobre mim. Na esquina, faíscas crepitam num intenso frenesi até que a pedra evapora-se e dissolve as ânsias, náuseas e dores existências que atormentam a mente.

Desvencilho-me da escuridão que alcochoa no chão um grupo de africanos ou haitianos refugiados, abrigados pelo relento, à porta do albergue que somente durante o dia os acolhe. Desnorteado, dirijo-me aos meios-fios repletos de luz da Paulista. O amanhecer se achega junto ao passo de quem madruga para exercitar-se, acelerando a manhã que se desoxida a plenos pulmões. 

As grafites outrora espalhadas pelas paredes e muros da cidade se estendem sobre a pele do paulistano. Para não dizer, na pele do brasileiro. Tatuar-se está na moda. Assim observo e reflito sobre os corpos-aquarelas que transpiram expostos e a despertar o domingo. 

Enquanto o sol expande o dia, aperto o passo e  corro para debaixo dos lençóis, onde as horas se outonam e desfolham o tempo como um existir entre brisas.

   
    
 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s